O FUTURO DOS NEGÓCIOS E AS PESSOAS

Link do vídeo no final do texto 😉

Bem, falar sobre o futuro é sempre um desafio, inclusive na nossa própria vida! 

Quem dirá então, falar sobre o futuro para os negócios!

Mas é necessário e possível a partir do momento que nos tornamos observadores sensíveis e passamos a analisar alguns movimentos pessoais, de pessoas mesmo no mercado, consumidores, em convergência com profissionais, e, claro, tudo isso relacionado às empresas. 

E é este convite a refletir e observar de forma sensível que quero fazer a vocês!

Eu reuni EM 4 tópicos algumas reflexões.

1 – SALTO DE CONSCIÊNCIA

O primeiro, que eu não sei se você vem percebendo, acredito que sim: hoje a humanidade está iniciando o que parece ser um salto de consciência, através de auto-análise e questionamentos. 

Nunca se falou tanto em auto-conhecimento, a partir de práticas crescentes como Yoga, meditação, coachings, e tudo o mais.

As pessoas mais despertas hoje, estão interessadas em fatos reais e vivências que relacionam a sua vida como pessoa (ser em sua plenitude) ao seu eu profissional que ela é, cidadão e consumidor que ela é também. E isso independe da classe social: mais ou menos, todos estão mais informados e de alguma forma, mais conscientes.

E, me parece também que é um momento, onde as pessoas querem, além de se conhecer, conhecer seus potenciais, seus valores, suas verdades, elas querem também acreditar mais em si e serem mais protagonistas. Uma nova geração mais empreendedora (inclusive de si) e inovadora desponta neste “futuro”.

E o que isso muda para os negócios?

Bem temos aqui, profissionais mais despertos, que buscam empresas mais humanas, nas quais possam ser mais realizados. Isso é requisito para que se doem e permaneçam nas empresas buscando aplicar todo seu potencial. Mas se não encontram esse espaço que acham “justo”, mudam frequentemente de empresa, procrastinam, não dão o seu melhor. E isso não é porque não querem dar certo, ou são descomprometidos, ou tudo o mais que se ouve ou se pensa. É porque esta nova geração (ou a nossa geração transformada) não se sente mais submissa, não quer se sentir ao menos usada e não percebida como um ser humano em sua essência. 

Eu sei, eu sei esse é um assunto difícil, polêmico, e não podemos entrar nele mais a fundo aqui…. Mas é por isso que eu o trago para esta discussão de futuro: pois ainda é uma equação que precisa de construção, ainda precisamos ressignificar e construir uma relação equilibrada entre empresas e seus colaboradores. Um baita tema de casa para o futuro! E para os negócios e profissionais que sobreviverem, claro, pois daqui a pouco vamos falar sobre exclusão de mercado e automação.

E, seguindo a linha de raciocínio do que muda com o despertar das pessoas para as empresas, “do lado de fora”, os consumidores mais conscientes tenderão cada vez mais a estes movimentos que se observam inicialmente hoje: o minimalismo (que é um ter menos, mas não com menos qualidade, mas com mais experiência, mais consciência – conforme a maturidade do consumidor), uma maior administração de suas finanças começa a despontar, novos formatos de compra: muito mais aluguel e serviços de assinaturas, por exemplo. 

2 – AUTOMAÇÃO e INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

E vamos ao segundo ponto: automação, que citei anteriormente, junto à inteligência artificial. Reuni as duas pois elas trazem escala. Menos pessoas, mas mais especializadas, muito mais tecnologia e robótica nos processos, na produção, atendimento e entrega.

Este é um caminho para o qual estamos seguindo. E contra isso não há como lutar. 

Portanto, a dica aqui é: observe, estude profundamente e atualize você ou o seu negócio.

É fundamental que cada empresa já descubra o seu caminho junto a estes avanços e inicie a sua atualização para se manter competitiva.

Bem, 

E o que mais se observa de forma crescente no mundo dos negócios?

3 – CRESCIMENTO EXPONENCIAL e TRANSFORMAÇÕES DIGITAIS

Nós estamos num momento de possibilidades de mudanças e crescimentos exponenciais, especialmente junto às transformações digitais que acompanhamos.

Se antes podíamos observar o crescimento de empresas ao longo de décadas para um reconhecimento ou abrangência mundial, hoje isso pode se dar em meses e poucos anos.

Tanto o crescimento, quando a queda de impérios.

Você já deve ter ouvido falar na previsão de alguns economistas que dizem que um percentual bem expressivo (alguns falam  em até 40%) das 500 maiores empresas que farão parte da lista da Fortune em 2025 ainda não fazem parte do universo de empresas que nós conhecemos hoje.

O que nos mostra também, que um percentual bem significativo vai cair fora desta lista e que muitas empresas no mundo também vão declinar ou se extinguir.  (não só grandes, mas pequenas)

O que de certa forma, é natural.

Mas voltando ao crescimento rápido e exponencial, o que essa possibilidade nos demonstra?

-que há causas para este crescimento, motivadores, e que eles estão relacionados principalmente à transformação digital, às redes, à comunicação e logística.

Taí os famosos exemplos de Uber, AIRBNB, GROUPON, que não nos deixa mentir.

E isso não quer dizer que um crescimento exponencial se dará em nível mundial e de massa somente. O que isso quer dizer então? Que este não é um caminho apenas para as grandes, as gigantes. Isso porque, em paralelo, temos o crescimento dos nichos, cada vez mais forte, o local, tantas vezes. 

Ou seja: empresas tradicionais ou startups serão altamente representativas e disruptivas dentro dos pequenos nichos em que atuam também. 

E, um parênteses, importante!

Neste universo de futuro e presente as startups (esta linha de negócios e mindset que representam) são as que mais se destacam, ao meu ver. E para quem pensa que startups são empresas pequenas, iniciando, e que isso as diferencia das tradicionais está enganado.

Startups são aquelas que na sua origem está o risco, o inusitado e o experimental. Diferente da maioria dos negócios, startups não possuem planejamentos tradicionais ou modelos a serem seguidos de forma rígida… elas são experimentos, que correm riscos altos de darem certo, muito certo, ou de fracassarem. Elas se desenvolvem conformem testam. E estão sempre muito relacionadas ao universo digital. 

Então, a dica de futuro aqui é: se você ainda não faz parte, corre para compreender mais sobre o universo real das startups, o universo digital que nos cerca e as novas possibilidades crescimento exponencial, de vendas e de nichos.

Empresas do futuro precisam reconhecer o universo virtuoso de possibilidades que há no meio  experimental,  no digital e nos campos de relacionamento e crescimento que ele abriu.

4 – INOVAÇÃO

E, para finalizar, vamos falar sobre inovação.

Fala-se tanto em inovação, mas na grande maioria das pequenas e médias empresas, pouco se pratica. Por isso que eu acredito que ela seja algo mais “de futuro” do que de presente, sim.

Para entendermos melhor, eu vou dividir a inovação em 3 formatos que são importantes ao meu ver:

-inovação incremental: que é a que propõem melhorias ao que já existe (a mais praticada hoje)

-inovação disruptiva: que é a transformadora, que elimina um segmento ou produto ou segmento que a antecedia

-e a inovação consciente, a qual reúne as anteriores, mas com uma pitada maior de consciência social, de que fazemos parte de um universo que nos cerca, somos responsáveis por ele, e que mudanças incrementais ou disruptivas precisam fazer parte da melhoria deste ambiente, para que possamos construir um futuro sustentável e melhor para todos. 

E, para mim, esta última é a que realmente faz sentido neste mundo atual, e no futuro. Uma inovação que inclua os aspectos sociais, políticos, econômicos, tecnológicos e ambientais que envolvem e desenvolvem com muito mais assertividade o negócio.

*

Bem, estes são os pontos de reflexão que acredito ser fundamental para negócios que vamos ver no futuro adotarem com seriedade!

Não pensar em fazer um novo sentido como empresa, como produto, como empregador, em um mundo com mudanças brutais na vida de todos me parece fadado a exclusão… a não sobrevivência.

Hoje, minha casa é o mundo, morei na Irlanda, na Itália, tenho mais de 20 anos acompanhando empresas no Brasil… estudo, observo e pesquiso muito. 

E o meu conselho “de futuro” para você é:

– Se você tem a sensação que ainda não despertou de verdade para algum dos tópicos que eu trouxe nesta reflexão… pare tudo,  e busque mais conhecimento, mas nunca esquece que junto a este aprendizado você precisará trazer sensibilidade e consciência.

O futuro é incerto, sim! Isso é um fato! E isso também pode ser muito bom neste universo de infinitas possibilidades que se apresenta, pois é você quem vai criar o seu futuro e decidir o dos seu negócios. 

Mas uma coisa eu sei: seu futuro só estará bem se você seguir assim: aberto e aprendendo!

Pois o futuro não é cômodo, nem confortável, pois vivemos num momentos de transição. Mais um. 

E a mudança, neste momento, é a nossa única garantia!

Um abraço e me permitam saber como pensam os seus futuros!


Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.